domingo, 5 de outubro de 2008

Aliança


As mãos vestem-se de ouro, prata, ou mesmo até outro material, o importante não é a matéria mas sim a simbologia. Por entre ruas e vielas, frequentemente encontramos pessoas que se passeiam atarefadamente usando um símbolo do tal amor eterno! São muitos os seres que o usam e que dão a esta pequena peça um valor tão profundo, que faria secar os maiores poços de água. Sorriem de felicidade quando a recebem, exibem-na aos amigos como prova do amor que alguém nutre por estes, e raramente a retiram do seu dedo, qual obra de arte em constante exposição! No entanto, existem também aqueles que não encontram qualquer tipo de significado nesta anilha, fazendo surgir assim o confronto quando dois seres com estes pensamentos opostos se unem numa relação com todos os ensaios de longa e duradoura!
E por entre ruas e becos, lá vou eu tentando encontrar o real sentido para um objecto ao qual nunca dei importância, a não ser quando vejo alguém interessante fisicamente e quero perceber se é ou não comprometido. Mas aí nasce então uma dura questão! Não vale de nada termos algo atado a nós que simboliza uma união com outro alguém, quando podemos perfeitamente retirar o anel sempre que desejarmos. Usar aliança não é sinónimo de fidelidade, e isso sabê-mo-lo perfeitamente…
E mais uma caminhada, e contínuo a pensar se esta tal aliança pode mesmo ser um verdadeiro símbolo do amor. Pablo Picasso eu sei que está relacionado com o Cubismo, o Fado com Amália Rodrigues , e Camilo Castelo Branco com o Romantismo (ou Ultra-Romantismo para ser mais preciso), agora, também sei que a aliança está relacionada com o casamento, o namoro, mas por entre estes quatro exemplos tão distintos, existirá alguma verdade pura e sincera no último? Acho este ritual tão falsário e desnecessário.
Mas a vida é feita disto mesmo. Por vezes encontramos razões que a própria razão desconhece e damos por nós envolvidos em crenças que não são as nossas, mas que por algum motivo nos conseguiram embutir e mostrar que pode até existir alguma beleza no gesto. E desta feita, para não fazer a desfeita, pensamos agora em arriscar e deixar o tempo passar. Quem sabe ela não incomóde e passemos até a achar uma certa graça à Senhora aliança? Sim, porque agora que chegou com este ar tão formal, há que tratá-la com todo o respeito, não vá ela decidir amuar e partir para outros dedinhos…

4 comentários:

pipo disse...

Como te disse não que ecrever, mas so te digo que adoro os teus textos! Gosty

PeterPan disse...

gostei do texto, como sempre fantastico, adorei cada palavra!!! sabes que sim... ~beijoca

Coné disse...

Muito bem, like it.
E agora ja conheço este caminho...
*

bixkoytuh disse...

posso te dizer k tb smp m fez mta konfusao pessoas k trokam alianças cm kem troka de kuekas..
mas um dia fui surpreendida por dar cmg a voltar a tras smp k saía de casa p ir kolokar a mnh respectiva..
Sabes a konclusao k xeguei em relaçao ás alianças?!
é k p os outros n tem signifikado e ate s torna uma especie de trofeu p mostrar..mas k p os restantes cm nos k nnc ligamos a isso e as vezes ate axamos k é um estorvo..so kdo descobrimos o verdadeiro amor passa a fazer outro sentido..mas p amar n é necessario ter uma aliança comum a tda gente..podes ter klk koisa k seja adquada á personalidade dos amantes!!
sorry o texto gigante!!lol mas estava inspirada!! :)

bjx