quarta-feira, 7 de janeiro de 2009

“The Day The Earth Stood Still”


Pensar que este é mais um filme sobre extraterrestres que invadem o planeta terra para o destruir, é um pensamento acertado. Comparar Klaatu (personagem interpretada por Keanu Reeves) ao tão queridinho de Hollywood, “E.T.”, também é viável, embora o primeiro tenha conseguido a preciosidade de adquirir forma humana, e mais do que isso, um déjá vù enorme com outra personagem tão bem conhecida de “Matrix”. Incrível como só faltavam uns óculos escuros e um casaco comprido a Klaatu para se parecer com “Neo”, ridículo é, ser o mesmo actor a interpretar as mesmas personagens.
Posto isto, e como se não fosse o suficiente, as comparações com “A Guerra dos Mundos” são inevitáveis, quer pelo facto que referi no início, quer pelo uso de uma personagem infantil para dar mais drama à cena. Embora neste não tenhamos uma menina grande actriz a fazer um papel de míuda histérica e irritante, para dar espaço a um rapaz de origem africana, com um cabelo fantástico, que possui uma história comovente, a morte do seu pai. Ao princípio ainda me deu vontade de dar um valente estalo a este míudo, mas não pude deixar de conter algumas lágrimas no momento que provocou uma mudança nas intenções de Klaatu. Sim, porque este é também um filme de clichés. Blá blá blá, e os humanos são maus para o Planeta Terra. Blá blá blá, vamos matá-los a todos… Ah, esperem que afinal eles conseguem amar, chorar, perdoar, e perto do holocausto, mudar. Bora lá ajudá-los afinal? O que faz deste filme, mais outro terrível com uma grande moral no fim.
Em suma, bons efeitos especiais, algum drama, bons actores, e ainda melhor, a falta de existência de uma relação amorosa entre as personagens principais (o que seria um erro repetitivo nos tempos que correm), e um final nú e crú, podendo assim dizer que salvou em parte o filme. Não tive opurtunidade de ver o original de 1951, mas acredito em pleno que este ganha pelo menos em qualidade de imagem (lógico), e numa escala de 0 a 20, ofereço 16, na minha humilde opinião claro. Gostei, mais que não fosse, pela fantástica companhia!

1 comentário:

pipo disse...

Sabes que adorei o filme, mas claro a tua compnhia e sempre melhor! fico contente por saber q tambem sou uma optima compnhia. amo-te