sábado, 13 de junho de 2009

Tentar novamente


Queria tanto dar-te o que um dia recusaste e que mais tarde eu temi oferecer com medo de me magoar novamente.
Queria voltar aos tempos em que sonhava contigo ainda a dormir e que depois acordava contigo no meu pensamento.
Queria ainda que o nosso passado não tivesse enveredado por outros caminhos e que hoje tudo fosse diferente, mas nada disso aconteceu e agora somos diferentes, mais auto-conscientes e conhecemos-nos melhor.
Olho para trás e posso encontrar algum arrependimento em decisões que tomei, mas para quê? O destino já agiu sobre nós e se nos voltamos a encontrar, porque não interpretar isso como um sinal? Porque não aceitar a possibilidade de que desta vez pode dar certo? De que seremos capazes de enfrentar os nossos medos e receios e enfrentar uma história de amor?
Não pretendo mais dúvidas, não quero construir um castelo de areia, não quero ilusões e acima de tudo não quero brincar, mas também não quero caminhar com delicadeza. Quero ser impulsivo, deixar-me levar pela voz do coração, escutar com atenção um sentimento que julguei extinto e que agora renasce como se uma espécie de fénix se tratasse! Vou enfrentar-me e dizer que é isto que eu quero, mais do que nunca.
Vou dar espaço, vou dar tempo, vou dar tudo o que tenho. Vou mostrar-te o que perdeste, vou mostrar-me o que poderia ter sido. E se chegar ao final do dia e perceber que afinal havia tomado a decisão certa no passado e que nós não passavamos de um mero desejo, então não chorarei de tristeza, mas sim de alegria por a vida me ter dado a opurtunidade de esclarecer, por eu me ter permitido mostrar o que poderia acontecer e não prosseguir com uma dúvida eterna!
Acredito que existem ligações que são difíceis de explicar ou de entender, e sei que nós pertencemos a esse caso, mas não importa, não vou levantar mais questões aos brindes que me surgem inesperadamente. Somos assim mesmo, espuma de mar que vai e volta, círculos que por vezes estão fechados e nos fazem regressar à casa da partida.
Que as linhas da mão deixem de ter importância e vamos de uma vez por todas construir o nosso destino, a dois, os dois... E se era assim que estava destinado a ser? Que importa, somos que temos o mérito!

2 comentários:

Carval disse...

Ah! Como eu gostaria que esse momento do "tentar novamente" acontecesse em minha vida...
Mas últimamente somente em sonhos mesmo!

Gostei mesmo da mensagem Phillipe! Parabéns.

E fico feliz que tenha me visitado, obrigado pelos elogios.

Carval

Phillipe disse...

Obrigado pela visita novamente, e sim, não podia deixar de o visitar! Sou um curioso por natureza e no que se refere ao ser humano, sou ainda mais guloso, logo tinha de o ir "ler". e confesso que gostei bastante do que encontrei.

Quanto ao momento, acredite, a vida é inesperada e quando der por si, sem aperceber, o sonho passará a ser real! Por mais que digamos que não, é essa esperança que nos faz ficar agarrados à vida, a procura pelo amor!

Um forte abraço, Phillipe!