segunda-feira, 23 de março de 2009

I´ll be the best you never had!


A dor que pensei ir embora passado algum tempo persiste em estar presente ainda no coração. Queria engasgar-me e vomitar o novelo que está preso, mas nada sai, engasgo que não surge.
Não vou mentir dizendo que já não penso em ti, que não te recordo, que já não choro por ti. Não sou mentiroso! A vontade que tenho de voltar a estar nos teus braços, há dias em que é tão forte, que tenho de me prender debaixo da cama para não cometer nenhum erro primário e repentino.
Sinto saudades dos tempos em que fomos felizes, em que bastava um gesto teu para me fazer sorrir, e como me fazias dar gargalhadas em alguns dias, noutros, simplesmente me fazias chorar... Recordo-te como uma pintura em que se rasgou a tela. Em que usamos todas as cores da paleta, em que nos fartamos de ver negro, onde colocamos branco, onde vimos o arco-íris.
Pensei que nunca chegaria a conseguir escrever-te, mas o momento chegou, o momento em que me encontrei novamente contigo, sem querer. Aqui estavas tu guardado nas minhas memórias, onde menos esperei. E voltei a chorar. Por tudo o que fomos, por tudo o que já não somos, por tudo o que um dia ambicionamos ser! E de novo o nó na garganta!
Se te visse agora, a minha vontade era de te bater! Como foi possível perdermos tanto que construímos? Como é que aconteceu estarmos tão perto e tão longe ao mesmo tempo?
Não sei onde estás tu agora, o que fazes, o que é feito da tua vida! Um dia prometeste-me construir algo melhor para ti, e foi precisamente por isso que nos perdemos mutuamente, um dia. Não sei se esse meu esforço foi em vão. Só ouço histórias ao teu redor que me assustam e que me magoam. Agora só penso como me posso eu ter apaixonado por alguém assim? O que é feito do que conheci de ti? Ou será que era apenas uma máscara e que agora deixaste-te vencer pelo cansaço e deixas-te de ser actor? Já não te sei!
E tinha tanto para dizer sobre ti, sobre nós, sobre um passado que durou mais do que era esperado. Porque é que a nossa história, tão enraizada nas nossas lembranças se tornou num peso como este?
Ainda te lembras do nosso primeiro olhar? Da primeira vez em que nos cruzamos e que sentimos o desejo, reprimido por estarmos em histórias diferentes? Ainda te lembras de tudo o que aconteceu e de como nos voltamos a encontrar passado tantos anos? Como é possível algo ficar recalcado e um desejo de uma noite se ter tornado num desejo de uma vida, e agora ser simplesmente uma lembrança? Como é possível?
Provavelmente já ultrapassas-te o que aconteceu e já não recordas uma história de mais de cinco anos. Não importa. Não tenho receio de ser só eu a sofrer! Não tenho medo de assumir a dor que me fazes ainda sentir!
E tanto que por ti fiz! Tanto que por ti aprendi a ser. Tanto que por ti lutei! Caramba! Como me podes ter feito isto? Não quero sentir ódio quando um dia existiu amor!
Esforço-me por te recordar como uma das minhas maiores aprendizagens! Como uma lição que tive e que agora chegou ao fim, por não ser mais necessária para este curso!
Lembro-me de tudo o que fizemos juntos como se fosse hoje. Carrego no play e o filme da nossa história começa. As viagens, os passeios, os poucos cinemas, a pouca praia, os poucos momentos a dois (em parte por minha causa), os cafés, os amigos, as noites que passamos juntos (não tantas como desejas-te), o teu toque, o teu beijo, o teu abraço, a tua entrega! Não quero continuar a ver este filme! Mas também não o quero apagar!
E agora? Agora o que faço? Já tentei continuar o meu caminho. Já me comportei como tu. Já te magoei por vingança! Já fiz tudo o que conseguia fazer, mas tu insistes em não desaparecer do meu caminho, dos meus olhos, da minha lembrança!
Sinto-me um idiota por ainda estar assim por alguém que actualmente nem a minha amizade pretende! Por alguém que se encosta em ruas de tesão e sexo inseguro! Por uma pessoa que já nem sequer merece estar entre mim, no meu pensamento. Mas não consigo evitar. Hoje, ao rever as tuas fotos, percebi mais do que nunca que ainda aqui estás, que chegas-te onde nunca ninguém tinha chegado!
Tocas-te em mim, nos meus amigos, na minha família, na minha vida! Foste onde nunca tinha deixado alguém ir! E para quê? Para deitares tudo fora?
Sei que somos incompatíveis! Que somos feitos de naturezas distintas e que não há nada em comum entre nós. Em tempos ainda houve um amor (será?), mas agora já nada existe! E volto a chorar! Choro porque fui cego por não perceber desde o primeiro minuto que nunca seriamos o que quisemos um dia ser!
E faltou tanto de ti! Faltou a protecção que nunca me deste! Faltou enfrentares os teus supostos amigos por mim! Faltou defenderes-me deles! Humilhaste-me e colocas-te o meu ego de volta ao ponto de partida, tão na lama, tão em baixo! Faltou dizeres a todo o mundo aquilo que me dizias a mim quando estávamos sozinhos! E foram tantas as vezes em que sentia que tinhas vergonha de mim! Que gostavas de mim mas que não o querias dizer a ninguém! E porquê? Por não ser um adónis? Por não ser um estereotipo qualquer de beleza? Bolas! Sou tão mais cheio de beleza por dentro, e tu bem o sabes! Mas não, nunca me puseste num pedestal!
Agora só quero limpar as lágrimas que me fizeste voltar a brotar. Agora só quero fazer um reset. Agora só quero ser capaz de continuar! Quero dizer-te adeus definitivamente e não tremer por receber uma mensagem tua! Dar-te desprezo e isso não me custar! Estar aqui. E tu não aqui. Longe!

“Como podemos revelar tudo a um estranho e ao mesmo tempo viver com alguém a quem nunca dizemos o nosso verdadeiro nome?”
- Closer (The Movie) de Mike Nichols.


I'll be the best you never had!
'Cause in your empty heart I've left a mark,
The best you never had.
I don't want revenge,
But if you must know the truth,
What you didn't see in me
Reflects what you will never be.
Now, when you're telling me I always was the one,
I feel your desperation.

1 comentário:

Peter_Pan disse...

What a post!!! Fiquei confuso... acho que sei a quem se destina esse post... mas falaremos melhor sobre isso pessoalmente oki??? acho que a sininho esta a percisar que o peter lhe de na cabeça... ai ai ai ai... va ser forte...